Todas as influências musicais do multimídia Douglas Bastos

Todas as influências musicais do multimídia Douglas Bastos

Olá! O mês de novembro se inicia com uma entrevista linda e cheia de referências musicais com Douglas Bastos, um dos artistas da nova geração da música brasileira que vem ganhando cada vez mais destaque não só no mercado como: compositor, cantor e apresentador, mas também em nossos corações.

Aqui ele fala sobre sua essência musical; processo criativo; sobre o impacto que a pandemia trouxe para sua vida; revela que artista faria um show ‘cover‘ especial; pontua a importância de um artista independente conhecer bem o mercado e, claro, fala do seu novo single “Faz de Conta”. Sem mais, fique com a entrevista abaixo 😉

Foto: @AfetoPreto / @flaviapalazzo

Feitos De Música > Sua voz (o que te inspira e te leva a cantar?)

Douglas Bastos > Cantar pra mim é algo muito natural. Acho que o que mais me inspira a cantar é a vida. As situações da vida, os detalhes, eu gosto de cantar esses detalhes, sabe?
Cantar o beijo que a gente dá na mãe quando tá com saudade, cantar amores, cantar
saudades, cantar até as raivas, rsrs. Cantar a vida e as suas nuances, isso me emociona e
se não emocionar não tem graça. Quando emociona, aí tá valendo.

Feitos De Música > Influências (de pessoas, artistas em sua vida, sua carreira)

Douglas Bastos > Olha, isso é uma pergunta muito, mas muuuuito vasta, no meu caso. Se eu for te falar nomes, eu só paro amanhã rs. Tenho influências de estilos completamente diferentes que tem o mesmo peso artístico pra mim.

Analisando por gênero eu posso te dizer que o Jazz (principalmente o brasileiro), o Rock n’ Roll e a Música Erudita (principalmente o período Impressionista) e artistas que misturam tudo isso, me chamam muita atenção.

Mas se você abrir o meu Spotify vai tomar um susto, hahaha. Tem Pat Metheny, Luiz Melodia, Prince, Moacyr Luz, João Gilberto , O Terno, Michael Brecker, Queen, Jimi Hendrix, George Benson e OutKast. JURO, ACABEI DE VER AGORA! Hahaha

Aaah, e eu tô fazendo essa entrevista ouvindo “Strawberry Fields Forever”, dos The Beatles.
Pra vocês ver o nível da liberdade rs.

Feitos De Música > Seu primeiro álbum “Pra ser o que você seria”, foi lançado em 2014. Mas quando foi que você se percebeu artista, que nos brindar com amor em forma de musica seria o que você faria de sua vida?

Douglas Bastos > Quando eu gravei esse disco eu já sabia que queria isso. O que não foi fácil, foi largar tudo pra viver de arte, que não é fácil em qualquer lugar do mundo. No Brasil então, é mais difícil ainda.
Me percebi artista por volta dos 8 anos, quando comecei a tocar bateria. Mas por volta dos
18 anos, eu já estava com minhas bandas de Rock pela rua e tocando em alguns lugares do Rio, principalmente na Baixada. Nessa época eu já sabia com muita firmeza que era o que eu
queria fazer por resto da minha vida.

Feitos De Música > Como é o seu processo criativo? Tem algum ritual que sempre funciona para você, ou a melodia, a letra vem quando você menos espera?

Douglas Bastos > Eu componho de diversas formas. Eu vou te confessar que eu tenho curtido mesmo por esses dias é compor quando tem algo pra rolar. Compor pensando em um conceito, meio que com algo já em mente.
Eu entrei numa fase bem R&B com Jazz por esses últimos meses, sem perder de vista a
minha brasilidade, claro, isso já está bem em mim. Mas nesse período, tenho composto pensando nisso, vivendo isso.

Não tenho um “ritual” pra compor, mas quase sempre tem café rs. Sério sou muito apaixonado por café. Às vezes, tenho uma ideia no meio do dia, a registro e depois trabalho com ela tempos depois. Outras vezes sento pra compor sozinho, ou com algum parceiro e uma música sai quase pronta, ou pronta. É sempre um mistério.

Foto: @AfetoPreto / @flaviapalazzo

Feitos De Música > Se você fosse convidado para fazer um show cover em homenagem a um artista do qual é muito fã. Que artista seria este e o show seria criado a partir de que música /emoção?
Douglas Bastos > Aí é difícil te dizer, de verdade, porque como eu te disse eu gosto muito de muita gente. Mas acho que o Luiz Melodia é um cara que sempre me chamou muita atenção. Você já viu alguém ser Bamba do Samba, Rock n Roll e super elegante ao mesmo tempo? Esse cara era o Melodia.

Acho que esse show seria criado a partir da emoção de poder fazer o que quiser e não deixar nunca de ser você, de ter as suas “impressões digitais” e a sua verdade artística em tudo o que você faz, assim como era o Melodia, com muita força e firmeza.

Feitos De Música > Este ano de 2020 está sendo um ano que vem exigindo de nós muita resiliência, fé e reinvenção de todos nós. Para você, o que mais te chamou a atenção, o que aprendeu e ou reconsiderou em sua vida?

Douglas Bastos > Aprendi um pouco mais sobre mim mesmo. Aprendi que tem coisas que não estão no nosso controle, mas tem outras que a gente pode agarrar com todas as forças e fazer, mesmo com pouca grana.
Tá uma bagunça gigante no mundo todo e aqui no Brasil sinto que está bem pior. Se a gente não se cuidar a gente fica muito desgastado, e é exatamente isso que quem está oprimindo a população, quer.

A gente precisa se proteger, cuidar de quem está conosco com muita sabedoria e amor, tentar manter a mente no lugar e batalhar o máximo que a gente puder.

Feitos De Música > Em parceria com a AUR___ e a Cerveja Praya, você está à frente junto com o Pedro Bonn apresentando o programa “Fala Meu Joul!”. Como surgiu o convite e como está sendo esta experiência de apresentar um programa?

Douglas Bastos > O convite surgiu através do Pedro, fiquei super feliz de fazer e ainda fico. Toda semana a gente tá falando sobre cultura, que é o nosso trabalho e o que move a nossa vida. Tem sido muito engrandecedor pra mim porque toda semana faço uma pesquisa nova e
acabo aprendendo mais, coisa que eu amo.

Feitos De Música > Com a pausa na indústria de entretenimento por conta da pandemia, você e outros artistas tiveram que atuar mais ativamente através dos palcos virtuais. Como vem sendo experiência pra você?

Douglas Bastos > De verdade, acho meio chato, porque o público se verdade faz MUITA falta.

Música é sobre troca. O que define se um show é bom e se a gente toca bem é se o público responde e tem uma troca de experiências positiva com a gente.

Sei que a gente não pode ainda se reunir de maneira efetiva, enquanto isso , a gente vai
pela internet mesmo. Tive muita ajuda do meu público enquanto fazia apresentações online,
foi muito legal, todas as vezes.

Feitos De Música > Você acaba de lançar o single “Faz de conta”. Conte um pouco sobre como surgiu a inspiração para este single e se este é o preludio de um novo EP que vamos conhecer em breve?

Douglas Bastos > A inspiração desse som foi bem ao acaso. Eu estava me reunindo pra compor com o Theo Zagrae, que também é o produtor e arranjador dessa faixa, quase que toda semana. Essa música saiu em uma tarde, nada planejado.
Tem coisa nova pra sair ainda nesse fim de ano e ano que vem, também. Não tenho como
te dar certeza de nada, até porque esse nosso mercado é muito volátil e tudo muda em um
segundo.

Feitos De Música > O que o Douglas Bastos de hoje, falaria para o Douglas Bastos lá atrás, no início da carreira?

Douglas Bastos > Eu diria pra ele ficar menos ansioso, ser menos compulsivo, estudar firme como ele estudou e ainda estuda. Também diria pra ele ter começado mais cedo a estudar o mercado da música, faz toda a diferença pra um artista independente.

Feitos De Música > O que é ser Feito De Música para você?

Douglas Bastos > É não conseguir viver sem ela, seja como ouvinte, como músico, ou como os dois. Que é o meu caso.

Feitos De Música > Te apresento (até três artistas que você curte ouvir e que a gente precisa conhecer):

Douglas Bastos > Só três é bem difícil rs. Mas vamos lá, dois artistas do R&B e um do Jazz instrumental: Fabriccio, YOÙN e Julian Lage. Certeza de que vocês vão curtir 😉

Uau! Que entrevista deliciosa de se ler. Eu fiquei ainda mais fã do Douglas e quero essa playlist cheia de ícones da música mundial na minha mesa já haha. Em tempo, para que você fique por dentro de tudo que este artista incrível está aprontando, basta seguir o perfil dele nas redes sociais 😉

Até a próxima,

Cristiano De Jesus

Cristiano De Jesus

Eu, comunicador e sonhador, filho da Dona Rosa e do Sr. João que, enquanto admira às belezas da vida, ouve boas histórias e muitas músicas para criar sua própria trilha sonora.

Um comentário em “Todas as influências musicais do multimídia Douglas Bastos

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: