Negro da Semana, o podcast do Alê Garcia que é música para nossos ouvidos

Negro da Semana, o podcast do Alê Garcia que é música para nossos ouvidos

Olá, estou de volta com mais um bate-papo riquíssimo, diretamente de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Desta vez, tive a honra de conversar com ele que é escritor, publicitário, palestrante e criador de conteúdo. Estou falando do inspirador Alê Garcia.

Aqui, o Alê nos fala da sua plataforma sobre cultura negra, que é um canal de YouTube e um podcast (que já gerou os spin-offs sobre Literatura, Cinema e Séries e Entrevista), Negro da Semana, que foi selecionado para o único programa de desenvolvimento de creators do mundo, o YouPix Creators Boost. Ficou também entre os melhores de 2019 no Spotify, Apple Podcasts e Deezer. E também foi convidado da primeira edição mundial do Spotify for Podcasters Summit, para falar sobre roteiro em podcast.

Feitos De Música > Seu ritmo (falar da sua essência musical, como a música entrou em sua vida).
Música é uma presença constante desde a infância. Essencialmente, a black
music
, em suas diversas vertentes: começando com o samba, o pagode, o rap, o charm, o funk. Então tudo isso forjou minha existência e meus gostos, já que meu pai sempre abastecia a casa com vinis, pela amizade que tinha com um funcionário de uma gravadora musical.

Assim cresci amando Fundo de Quintal, Leci Brandão, João Nogueira, Alcione, Maria Bethânia, Emílio Santiago, Jorge Aragão. Crescendo, fui agregando artistas como Racionais MC’s, Thaíde, Negra Li, Sampa Crew, descobrindo Tim Maia, Black Rio, Bebeto, Dhema; sendo impactado com o primeiro disco de Ed Motta & Conexão Japeri, e forjando meu gosto musical com outros nomes diversos, como Gilberto Gil, Marina, Funkadelic, Jamiroquai e tantos outros.

Um pouco depois, veio a grane paixão pelo jazz, que abarca Milles Davis,
Thelonious Monk
, mas, principalmente, John Coltrane que, pra mim, é a definição mais profunda de música.

Alê Garcia por Gian Michailoff

Feitos De Música > Influências (de artistas que você admira e exercem influências em seu trabalho).

Eu tenho uma trindade de artistas que, para mim, estão acima de todos os outros: John Coltrane, Toni Morrison e Julio Cortázar. Mas sou um grande apaixonado pelos trabalhos de Ed Motta, Tim Maia, Zadie Smith, Bill Whiters, Spike Lee, James Baldwin e Emicida. A lista é gigante, melhor parar por aqui… 😉

Feitos De Música > Como foi sua estréia como Podcaster? Quando surgiu a ideia de criar e como se deu o processo criativo do mesmo?

A ideia do Negro da Semana surgiu quando parei para pensar sobre estes
números e fatos: que segundo o censo que deveria ser feito em 2020, somos 115 milhões de negros autodeclarados; e que entre 2017/2018, nós negros
consumimos R$1,6 trilhão.

Mas o meu maior start, realmente, foi quando pensei no João, meu filho de nove anos, e me questionei: “Que histórias meu filho vai ouvir sobre pessoas como ele?”

Foi quando deixou de ser sobre números e passou a ser sobre pessoas. Sobre a necessidade de contar da maneira correta a história de negros como nós, que realizaram e realizam grandes feitos ao longo da história.

Eu sou escritor e sempre fui apaixonado por bate-papo em rádio. Isso partiu para me apaixonar por podcasts.

Resolvi unir minhas duas paixões e contar a história destes negros incríveis de maneira que eu pudesse fazer tudo sozinho: pesquisar, escrever, produzir, gravar, editar e distribuir.

Nós, negros, precisamos ser donos de nossas narrativas.

Feitos De Música > O que é um podcast e que valor este formato de mídia tem na comunicação de hoje?

Podcast é a extensão natural do rádio. É conteúdo sonoro, com as mais diversas possibilidades, temas e nichos, para ser ouvido sob demanda, na hora em que o ouvinte quiser e da maneira e no suporte sonoro que desejar.

E, mais do que isso, o podcast hoje é uma mídia fundamental no processo de amplificação de vozes, as mais diversas, por sua certa “facilidade” de produção e disseminação. Mas infelizmente, sabemos que o acesso à tecnologia e às ferramentas digitais não é uma possibilidade para todos. Porém, a partir das mais diversas iniciativas e esforços, o podcast tem sido fundamental para dar voz e incluir população de baixa renda e culturas diversas na criação de conteúdo digital.

A cada ano que passa o cenário de consolidação do podcast só cresce. Cada vez que há novos players, novas grandes ações de marcas, novos cenários bem sucedidos (podcasts nacionais se desdobrando para outros formatos, como séries em streaming, por exemplo), o cenário amadurece e se cria condições ainda mais favoráveis para quem está produzindo podcast de forma séria e bem feita. Assim, as marcas entram mais fortemente no jogo, possibilitando que mais criadores de conteúdo em podcast possam viver do seu trabalho e que outros criadores surjam para entrar nesta área. Este momento de quarentena e, consequentemente, de introspecção que estamos vivendo, deu ainda mais atenção ao podcast: novos programas surgindo, mais audiência descobrindo e se fidelizando. E 2021 será consequência disso.

Feitos De Música > No podcast Negro da Semana, você conversa e conta a história de grandes personalidades negras da nossa história. É um podcast que transborda ritmo e poesia. Qual episódio foi mais emocionante para você e qual teve mais repercussão até hoje?

Provavelmente, o episódio mais emocionante foi o de Elza Soares e talvez
também seja o de maior repercussão social, embora, em números, seja o do
Mano Brown. O de Elza Soares tem a tristeza inevitável de contar as tantas
tragédias que assolou sua vida, mas tem a força e a inspiração que só uma
mulher como esta, artista gigante, são capazes de transmitir.

Feitos De Música > Conta pra gente como surgiu o projeto BRAVOZ e como é poder conversar com artistas tão incríveis deste nosso Brasil e de quebra, ouvir à capela, uma palhinha destes artistas?

Eu fui convidado pelo Bradesco para estar junto com eles neste projeto, que visa dar ainda mais voz à artistas negros brasileiros que fundamentam a nossa cultura e nossa história.

Me sinto agraciado por estar junto neste projeto maravilhoso. Acabei de gravar um novo episódio, com duas artistas da música que são sensacionais e foi realmente muito emocionante, tal qual a vez em que entrevistei Antônio Pitanga e as lágrimas foram inevitáveis.

É um privilégio realmente ouvir a voz destes artistas, que vêm de coração aberto contar suas histórias, suas paixões, suas crenças, suas motivações. A arte tem este poder gigante.

Feitos De Música > Se o podcast Negro da Semana tivesse uma trilha sonora, qual seria?

Certamente Mr. P.C, do John Coltrane: ritmo intenso, como é a produção do
podcast, mas a suavidade e a profundidade que, assim como o jazz, tenho pra mim que o podcast consegue transmitir aos ouvintes.

Nós chegamos ao fim de mais um bate-papo incrível. Cheio de referências musicais e muita inspiração com o querido Alê Garcia. Espero que você tenha curtido descobrir um pouco mais sobre este formato de mídia, sua importância, sobre o propósito do Alê ao criar o podcast Negro da Semana tanto quanto eu.

E para você ficar por dentro de tudo que ele está produzindo, siga o perfil dele no Instagram, o perfil do podcast Negro da Semana nas plataformas de streaming como Spotify, Deezer, Apple Podcast e também o canal dele o Youtube.

Abração e até a próxima,

Cristiano De Jesus

Cristiano De Jesus

Eu, comunicador e sonhador, filho da Dona Rosa e do Sr. João que, enquanto admira às belezas da vida, ouve boas histórias e muitas músicas para criar sua própria trilha sonora.

2 comentários sobre “Negro da Semana, o podcast do Alê Garcia que é música para nossos ouvidos

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: